quinta-feira, março 09, 2006

Palavra...

Perco a palavra todas as horas.
Ela me vem e me escapa.
Escorrega e foge como uma bela mulher em uma festa, que olha, seduz e some.
Magnetiza e segue.
Atrai e atiça.
Não é minha, não tem dono.
É bela, absoluta e perfeita.
Mas não pára, não cede e não se deixa tocar.

Uma palavra em movimento, é o que persigo em cada cena que percorro.
Uma só palavra me faz tão prolixo. Deixa meus lábios em transe e meus dedos tontos.
E há tantas, e todas tão lindas e tão fugidias.
Mas, entre todas, há sempre uma.
Palavra, paixão minha, é uma obcessão encontrar-te, é apaixonante te amar.

7 comentários:

Lu disse...

Belas palavras Uri!! Quando encontradas então... Grande abraço e obrigada pelo link, adorei!!

Patrícia disse...

Reparei que, mesmo não sendo o dono da palavra ["não é minha, não tem dono"], seu post é bonito, Uri. Estou aqui imaginando quando se apossar dessa tal palavra de vez...

Jorge disse...

As vezes as palavras me escapam também, é como a sombra que nos acompanha sempre, mas não conseguimos apanha-la. Abraço

Felipe disse...

é impressionante o poder da palavra...nao há arma que possa te derrubar mais do que a palavra e nao há remedio que posso te animar mais do que a palavra usada no momento certo, do jeito certo...
legal demais vc ter feito um poema sobre isso, que por sinal ficou mto bonito =)
abracos!

Gaudz disse...

temos de tratá-las com esmero. porque um dia elas vão-se de vez.

Bia disse...

Oi moço das palavras! "Uma só palavra me faz tão prolixo" Como é que pode, né?? Acontece, realmente. Eu perco a palavra sempre, meu amigo. Ando assim tbem, às vezes tenho que pegar a inspiração à unha e às vezes, qdo menos espero, ela vem. E outras vezes, a palavra parece que fica naquele vácuo entre o que eu sinto e o que eu sei. Qdo vc desengasgar as suas palavras, me conta como fez! rsssss Bjo grande.

Anônimo disse...

"Deveras" é a minha favorita...
Beijo cor de laranja da Cristina do Bandeijão